quarta-feira, 19 de março de 2014

Um adeus definitivo

Essa "carta aberta" é direcionada a várias pessoas mesmo que nenhuma delas vá ler

Sabe essa mania minha de revirar o passado? Relembrar as coisas boas? Hoje me levou a achar coisas que eu não queria achar. Te achei.
Até hoje não sei o que aconteceu.
Nós nos conversávamos todo dia , tantos apelidos , tantas piadas internas , tantos planos e tantas coisas aprendi com você. E então você foi ficando ocupada e sem tempo até que parou de me responder. Parou de entrar na internet (ou me bloqueou né?). Parou de se importar comigo.
De repente , não mais que de repente.
Que foi que eu te fiz?
Volto tantas e tantas vezes pra trás e simplesmente não consigo enxergar quando as coisas começaram a dar errado.
E então doeu.
Tenha certeza de como doeu todas as vezes que minha mãe me perguntava como você estava e quando eu achava alguma mensagem tua , alguma palavra amiga que antes era tão comum.
Até hoje não me disse o que aconteceu.
Agora não importa.
A vida aconteceu e sou tão grata por tudo que conquistei e os amigos que fiz.
E o tempo curou as feridas abertas. Agora parou de doer , não incomoda , não fere , é quase (eu disse quase) um alívio.

Mas ao mesmo tempo também tem você que não desistiu de mim quando eu quis. Quando eu não via a luz no fim do túnel , quando eu só queria chorar , quando aquelas que se diziam tão amigas apenas me olhavam de longe sussurrando. E você não. Eu tinha você e ainda tenho o livro que me deu. Com você ainda não sei o que aconteceu. Acredito que a vida aconteceu.
Me perdoe por não ter ido atrás de você como devia.
Você sempre vai ter um espacinho no meu coração , não importa o que aconteça , vou olhar pras coisas boas que você fez porque você sim não quis me ferir ao contrário da colega do primeiro parágrafo.

E ainda temos espaço pra você meu bem.
Você disse que eu era sua melhor amiga e disse que era pra sempre (eu que nunca acreditei no pra sempre apenas ficava feliz pelo sentimento). Quantos gritos teus eu já ouvi , quantos brigadeiros eu já fiz na tua casa - e não esquece de mandar um beijo pra sua mãe que disse que gostava de me ouvir cantar. Quantas vezes você não veio na minha casa? E todos os trabalhos em dupla que eram sempre com você?
Você sempre foi orgulhosa e quando as coisas deram certo pra mim , você mal ligou. E as coisas deram certo pra você e eu fiquei feliz e você pode procurar no quinto dos infernos e vai achar mensagens minhas sinceramente felizes com as tuas conquistas.
E então eu te chamava pra sair pra terminar com esse incomodo chamado saudade. E o que você fez? Bem , você sabe , mas caso esteja com um problema de memória: Você me deixou esperando por você por quatro horas dentro de um Shopping. QUATRO HORAS. Quantas vezes eu te liguei? mandei sms? mensagem no face? sinal de fumaça? E você nunca mais respondeu. 
Obrigada pela consideração.

E então esse texto nada mais é do que um desabafo sobre amizades perdidas e dúvidas do que foi real - se os sentimentos eram real ou apenas teatro.E dor e tristeza. E dúvidas que atormentam as minhas madrugadas e os momentos de insônia. 

Eternamente grata pelo rumo que a minha vida tomou em 2012 e todas as pessoas que eu conheci e me mudaram (e eu acabei mudando também). Minha visão sobre o mundo mudou tanto e me sinto melhor. Obrigada por todo mundo que se mantem junto de mim e quer meu bem , vocês serão lembrados.

Algumas amizades são pra ficar e algumas são temporárias. Todas nos ensinam alguma coisa mas finais normalmente trazem um sentimento ruim. Mas nem todo fim de ciclo deve ser triste. Temos que deixar ir para receber.

Ei , Um rei me disse que quem deixa ir tem pra sempre.

0 comentários:

Postar um comentário